Editais/Credenciamento

Eixos de Ação

Para Servidores

  • PROTOCOLO

Notícias

08/10/2019

Funeas realizou, na última sexta-feira (4), o 2º encontro de diretores de unidades hospitalares

Por Guilherme Lara da Rosa

No início da manhã de sexta-feira, a Fundação Estatal de Atenção em Saúde do Estado do Paraná reuniu os diretores-gerais de cada unidade hospitalar que faz parte da Funeas. Ao todo são cinco hospitais, sendo eles: o Hospital Regional do Litoral, localizado em Paranaguá; o Hospital Regional do Sudoeste – Dr. Walter Alberto Pecoits em Francisco Beltrão; o Hospital Estadual Lucy Requião de Mello e Silva em Guaraqueçaba; o Hospital Regional do Norte Pioneiro em Santo Antônio da Platina e o; Hospital Infantil Waldemar Monastier, que fica em Campo Largo. Além destes, o diretor-geral do Centro de Produção e Pesquisa de Imunobiológicos (CPPI), Rubens Gusso, também esteve presente.

Diretores estiveram reunidos para debater e apresentar novas propostas para os hospitais

Diretores estiveram reunidos para debater e apresentar novas propostas para os hospitais.

Foto: Sérgio Cernescu

O papel da Funeas, para com esses hospitais citados acima, além de garantir as melhores condições possíveis em todos os setores, é estabelecer e, sobretudo, acompanhar, as metas e resultados junto às unidades. Por isso, é de grande valia ocorrer encontros como esses de forma periódica, como levanta o presidente da Funeas Marcello Augusto Machado: “As pautas foram bastante extensas, mas a reunião foi muito produtiva, e o espaço garantiu que todos pudessem expor suas ideias referente às pautas debatidas. O objetivo desse encontro foi fazer com que tenhamos um fluxo único com relação ao relacionamento interno e externo da Funeas”. Também, de acordo com o presidente da Fundação, o encontro está orientando como as unidades hospitalares devem proceder em busca de uma padronização nos serviços que, consequentemente, oferecem melhorias aos usuários do SUS.

O presidente está em cima do palco, enquanto os diretores das unidades hospitalares estão sentados

Reunião durou cerca de quatro horas. Foto: Sérgio Cernescu


Dentre os tantos pontos debatidos, o diretor financeiro da Fundação Estatal, Hélcio Santos, destacou sobre a importância de haver um alinhamento de objetivos entre a Funeas e a Secretaria de Saúde do Paraná a fim de melhorar o fluxo de pagamentos, para que de fato haja um compromisso pertinente entre as unidades e a Fundação. “Enquanto diretor financeiro, nós temos o objetivo de realizar os pagamentos dos nossos funcionários de forma coerente”, conclui Santos.

Além disso, o sistema GSUS (Sistema de Gestão Hospitalar e Ambulatorial), também foi colocado em discussão. Esse sistema é uma plataforma que tem o objetivo de oferecer mecanismos de gestão dos serviços de assistência de saúde ambulatorial e hospitalar da Rede de Saúde Pública do Paraná, estruturado sobre as regras do SUS. É através desse sistema, por exemplo, que os profissionais da área de saúde abrem prontuários de pacientes, controlam agendas médicas, acolhem pacientes, registram o atendimento realizado, etc., ou seja, as unidades hospitalares têm uma certa garantia de que funcionarão com maior agilidade e, consequentemente, pouparão tempo, já que em milhares de hospitais ainda há esse tipo de trabalho sendo feito manualmente — com o uso de papel e caneta. Inclusive, esse sistema, desenvolvido pela Companhia de Informática do Paraná (Celepar) em parceria com a Secretaria Estadual da Saúde e Ministério da Saúde, foi considerado o melhor projeto eletrônico de Governo em 2008; o mesmo obteve o prêmio TI & Governo. 

Segundo Levi Euzébio, técnico em informática da Funeas, esse sistema garantirá o armazenamento das informações sobre cada paciente, pois papel é passível de perda e, caso seja necessário a procura por algum prontuário, essa atividade poderá ser realizada em poucos minutos. O técnico ainda ressalta  a importância dessa plataforma ao citar uma Resolução do Conselho Federal de Medicina (CFM), a qual determina a obrigatoriedade da preservação de documentos médicos em suporte de papel serem arquivados por tempo não inferior a 20 (vinte) anos, a partir da data do último registro de atendimento do paciente.  Algumas de nossas unidades já trabalham com esse sistema, porém, a meta é que até dezembro deste ano todos os hospitais da Funeas já estejam utilizando o sistema em 90% de seus setores hospitalares.

Além das pautas citadas acima, a Funeas discutiu nesta reunião alguns novos projetos na parte de tecnologia da informação e sobre a padronização da comunicação social.

De acordo com o presidente Marcello Augusto Machado, em dezembro ocorrerá um novo encontro para que haja revisão e, também, uma avaliação de tudo que foi acordado neste encontro.


Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.